por Paulo Bungart Neto e Ana Claudia Araujo Matos Krul

Maria da Glória Sá Rosa nasceu em Mombaça (CE) no dia 4 de novembro de 1927. No ano de 1939 mudou-se com a família para Campo Grande, na época, Mato Grosso. Mais tarde, graduou-se em Línguas Neolatinas pela PUC do Rio de Janeiro; fundou e dirigiu a Aliança Francesa de Campo Grande; participou da instalação dos primeiros cursos superiores de Campo Grande, em 1961, na Faculdade Dom Aquino de Filosofia, Ciências e Letras, onde ministrou aulas durante 18 anos. 

Na Faculdade Católica Dom Bosco, criou o Teatro Universitário de Campo Grande, a Revista Estudos Universitários e o Cine-Clube de Campo Grande. Como coordenadora do Curso de Letras da Universidade Católica Dom Bosco, promoveu diversos cursos e semanas literárias. 

Produziu o programa “Intercomunicação” na TV Morena e “Mensagem ao Mundo Feminino” na Rádio Educação Rural. O grande salto na vida de Maria da Glória Sá Rosa se deu em 1967, quando começou a trabalhar na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, lá ficando durante 26 anos. Tendo sido chefe de alguns departamentos e órgãos culturais, promoveu exposições de artes plásticas, ciclos de conferências, além do Projeto “Prata da Casa”, responsável por espetáculos de música ao vivo e edição de álbuns com músicos da região. 

Também na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul lecionou Literaturas de Língua Portuguesa, Língua e Literatura Espanhola, História da Arte e Didática. Durante anos foi Presidente do Conselho Estadual de Cultura, é membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras e da Associação Brasileira de Críticos de Arte. Também recebeu o título de cidadã sul-matogrossense da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul. 

Em fevereiro de 2005, o Conselho Universitário da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul concedeulhe por unanimidade o título Doutora Honoris Causa pelos serviços prestados à educação e à cultura de Mato Grosso do Sul e à história da UFMS. Assim, Maria da Glória Sá Rosa possui uma longa caminhada ao lado da educação e da cultura regional do estado. Viajou por diversos países do mundo e também conheceu todos os estados brasileiros, interessando-se por escritores os mais variados, pertencentes à literatura regional, nacional ou universal. 

Essa cearense de Mombaça, que veio morar no Mato Grosso do Sul, se destacou na cultura das artes, lutou com garra e sabedoria, soube transformar sonhos em realidade, se destacou brilhantemente através da sua escrita e dedicação. Escreveu mais de dez livros e inúmeros artigos, inscrevendo definitivamente seu nome na história da literatura sul-matogrossense.

 Leia artigo na íntegra:

http://eventos.ufgd.edu.br/enepex/anais/arquivos/31.pdf


MARIA DA GLÓRIA SÁ ROSA, cearense radicada em Campo Grande, Glorinha, como era chamada pelos amigos, ocupava a cadeira número 19 da Academia Sul-mato-grossense de Letras, autora de vários livros, por 26 anos lecionou Literatura e História da Arte na UFMS, onde se aposentou como professora. Na política, foi secretária-adjunta de Estado de Desenvolvimento Social; foi diretora e depois presidente da Fundação de Cultura, presidente do Conselho Estadual de Cultura, e superintendente da Secretaria de Cultura e Esportes.

https://www.marcoeusebio.com.br/coluna/morre-a-escritora-e-professora-maria-da-gloria-sa-rosa-aos-88-anos-em-campo-grande/49715?a=coluna&b=morre-a-escritora-e-professora-maria-da-gloria-sa-rosa-aos-88-anos-em-campo-grande&c=49715

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.