Rubens Jardim, 72 anos, jornalista e poeta. Publicou poemas em diversas antologias no Brasil e no exterior.  É autor de cinco livros de poemas: ULTIMATUM (1966), ESPELHO RISCADO (1978), CANTARES DA PAIXÃO (2008), FORA DA ESTANTE (2012) e ANTOLOGIA DE POEMAS INÉDITOS (2018). Organizou e publicou JORGE, 8O ANOS (1973) – uma espécie de iniciação à parte menos conhecida e divulgada da obra do poeta alagoano e que foi o pontapé inicial do ANO JORGE DE LIMA, em comemoração aos 80 anos do nascimento do poeta, evento que contou com o apoio de Carlos Drummond de Andrade, Menotti del Pichia, Cassiano Ricardo, Raduan Nassar e outras figuras importantes da literatura do Brasil. Integrou o movimento CATEQUESE POÉTICA, iniciado por Lindolf Bell em 1964, cujo lema era: o lugar do poeta é onde possa inquietar. O lugar do poema são todos os lugares.


BAGAGEM

Na mochila

ou na valise

a fluidez

das fronteiras

é uma ordem


Desobedeça.

POEMA DO AVESSO

O que há em mim

é a lenta preparação

do que há em ti

                    sombra segada

                    sangrada

                    e sagrada

                    até nos olhos

dos meninos que nasceram

                 sem olhos

vidência única(vide o verso)

visão múltipla(vede o anverso)

e tudo que está do outro lado

do espelho.


TRANSFIGURAÇÃO

Mudas, no papel,

as palavras pronunciadas

                      voam

que nem passarinhos.

Será que elas criam ninhos... 

nos teus ouvidos?


ESQUECIMENTO

Esqueci um poema dentro do mar

Ele nasceu das águas, das algas,

dos silêncios e dos murmúrios

de tanto amar. 


Levou-o os ventos

alísios, as brisas marinhas, as massas

de ar. 

E agora, dentro de uma concha

quase perdida na areia da praia,

o poema esquecido quer ser ouvido.

Mas o silêncio encobre a voz da palavra


ARTIMANHA

a arte é

manha

de vira arte é

manha

de ver

arti-

manha:

viver


Comentários
* O e-mail não será publicado no site.